Caixa inaugura agências na região

1995, um ano de triste memória para o Brasil, a Caixa e o Sul da Bahia. Seguindo determinação governamental, a direção da Caixa define pelo fechamento das agências de Gandu, Ubaitaba, Ubatã, Itajuípe e Coaraci. A agência de Camacan é transformada em posto em atendimento.

Prevendo que o objetivo final também era o fechamento da agência de Camacan, a diretoria do Sindicato dos Bancários de Itabuna e Região partiu para a mobilização, sensibilizando os segmentos organizados da sociedade camacaense. Num movimento inédito que em protesto fechou o comércio central da cidade por uma hora, com a participação de vereadores, bancários, comerciantes, sindicalistas e clientes da Caixa, a comunidade da cidade demonstrou o seu repúdio. Porém, a repercussão foi mínima, uma vez que não interessava à mídia a divulgação da luta contra o enfraquecimento e a privatização das empresas estatais.

Reparando um erro histórico, o governo Lula abriu novas agências da Caixa. Aqui na região foram reabertas as de Gandu, Ubaitaba, Camamu e Camacan, após longa mobilização de sindicalistas, vereadores, prefeitos e deputados.

Nosso reconhecimento ao ex-vereador pelo PCdoB de Itabuna, Luís Sena e deputada federal Alice Portugal (PCdoB/BA) que muito se engajaram nessa causa.

A intervenção do estado na economia é benéfica ao país e salutar a nação no sentido de combater as desigualdades regionais e promover o desenvolvimento com a valorização do trabalho e o respeito ao meio ambiente.

Camacan e as demais cidades estão de parabéns por contar a partir de agora com uma agência da Caixa Econômica Federal, o banco social do governo.

O presidente do Sindicato dos Bancários de Itabuna e Região, Jorge Barbosa, esteve presente nas inaugurações das agências de Gandu, Ubaitaba e Camacan.

 

Anúncios

E agora, qual será o Orixá que irá reger 2011?

 Nesse período em que esperamos o início do ano novo a pergunta mais ouvida é: qual  será o Orixá que irá reger 2011? Portanto, preparei esse texto para trazer para vocês a tão esperada resposta. Espero que gostem e que aproveitem muito esse ano e todo o Axé que será jogado sobre nossas coroas.

Para começar, quero relacionar esse ano com os planetas, mesmo porque a influência que eles exercem sobre nós e sobre toda natureza é grande, assim sendo, saibam que Mercúrio será o planeta regente deste ano.

E vejam que legal as particularidades e atributos desse planeta: Mercúrio faz referência à comunicação, à eloquência e à energia do movimento, move-se mais depressa do que qualquer outro planeta. Tanto é que seu nome foi atribuído pelos romanos baseado no deus Mercúrio, o deus que tem assas nos pés e que é o mensageiro dos deuses, inclusive do deus Júpiter.

Mercúrio é o planeta mais próximo do Sol, está entre o Sol e Vênus, e pode ser visto a olho nu ao amanhecer e ao entardecer – abro um parêntese só para falar de um detalhe curioso: o Sol está ligado ao Orixá Xangô, uma das grandes paixões de Iansã, segundo os mitos africanos, e Vênus está ligado a Oxum, que também segunda a mitologia yoruba, é irmã próxima de Iansã e  vivem “disputando” entre si.

A temperatura na superfície do lado mais perto do Sol chega a 427° C, uma temperatura quente o suficiente para derreter estanho. No lado oposto, ou no lado da noite, a temperatura desce a -173° C.

Mercúrio está associado aos trabalhos do intelecto como escrever, ensinar e aprender, sendo a inteligência o melhor veículo para compreender o mundo e a si mesmo. Mercúrio representa nossa maneira de aprender e comunicar o que aprendemos, mas também representa nossa maneira de ouvir. Em seu polo negativo surge o mentiroso, o ladrão, o superficial, e no positivo encontraremos aquela pessoa alegre, brincalhona, estudiosa, inteligente.

Com esse astro como regente, não faltarão oportunidades para boas conversas, intercâmbio de experiências entre pessoas das mais diferentes idades e uma vontade incontrolável de mudar completamente tudo aquilo que nos cerca. Por ser agitado e muito versátil Mercúrio provocará uma movimentação intensa em todas as áreas da nossa vida, com mil ideias ao mesmo tempo, o desejo de partir em busca de novidades falará mais alto dentro de cada um de nós.

2011 também será o ano do Coelho no Horóscopo Chinês, e observem algumas características desse signo: O nativo de Coelho é impulsivo, embora não seja dotado de muita energia. Claramente demonstra seu desagrado com as coisas, mesmo não verbalizando isso. As mulheres deste signo, que aparentemente podem ser vistas como dependentes e indecisas, são muito mais hábeis que os homens para enfrentar e superar os problemas comuns da vida. São afetuosas e atraentes para o sexo oposto, talentosas e ambiciosas, com um instinto para reconhecer a sinceridade nos outros e uma habilidade quase paranormal em detectar falsidade.

Seu senso de justiça é muito exigente, pois costumam ser pessoas respeitadoras das leis, pacíficas e amantes da paz. Por ser detalhista e minucioso no trabalho, o Coelho se dá bem em qualquer profissão que exija essas habilidades se dedicando com responsabilidade e dedicação, jamais deixando uma tarefa inacabada e abominando os que assim procedem.

Segundo os chineses o ano do coelho é reconhecido por trazer a paz ou ao menos um respeito pelo conflito ou guerra. Simboliza a graciosidade, as boas maneiras, conselhos sadios, bondade e sensibilidade à beleza.

O Arcanjo Mickael, ou Miguel como é mais conhecido, regerá esse ano também, seu nome significa “Príncipe da Luz”. Preside os raios solares, que destroem as trevas e trazem a luz, é o Comandante do Exército Celeste que controla as chamas. Arcanjo da coragem que defende e protege. Seu elemento é o fogo sutil, seus símbolos são a espada e a balança e sua cor é dourado ou amarelo como os raios do Sol, obtém solução para tudo: abre caminhos, resolve problemas financeiros, cria novas opções de vida, atrai novos empregos, cura o corpo e a mente, afasta sensações de angústia e opressão. Simboliza as mudanças, a justiça e a sabedoria, tornando a vida mais alegre.

Com tudo isso exposto fica fácil identificar o Orixá que regerá esse ano, não é mesmo?

É, será Iansã o Orixá que governará 2011. É ela que fará nossa vida girar e transformar, afinal é nela que encontramos a eloquência, a potência do movimento e os extremos de temperatura como é característica do planeta mercúrio. É Ela que vemos e sentimos no amanhecer e no entardecer, assim como vemos o planeta mercúrio.

Iansã é alegre, inteligente, impulsiva, afetuosa e atraente, cheia de instinto e justa,  assim como algumas das característica do Coelho no horóscopo Chinês. Além disso é guerreira, domina o fogo, é mestre em criar novas opções de vida, em curar o corpo e a mente, em afastar sensações de angústia e de opressão como são as atribuições do Arcanjo Miguel, aliás, não há orixá que mais nos estimula a alegria do que Iansã.

Portanto, vamos nos preparar para viver fortes emoções, pois com Iansã na regência vamos ter um ano bastante agitado em todos os sentidos.

Detalhe importante: esse ano também estará relacionado com a orixá Oxum, e isso deve-se por levarmos em conta que o primeiro dia do ano cai em um sábado, dia dos Orixás d’água, ou seja, dia em que cultuamos Oxum, prometendo um ano dotado de intuição, de doçura e, acima de tudo, um ano de libertação. Alias, vale a pena ressaltar o quando Oxum e Iansã são próximas em suas características e o quanto se cruzam e entrecruzam  no sentido do amor, da alegria, do movimento, da leveza, da intuição e do poder de realização, afinal, quando há amor há alegria; quando há leveza há movimento; quando há intuição há poder realizador … quando há ação de Uma, pode ter certeza, há a ação da Outra complementando e potencializando, fazendo e acontecendo, girando e conduzindo tudo. Tudo no auge da paixão e do amor.

E para completar e melhorar a energia e o ano que vai se inciar, uma boa dica é usar na virada do ano roupas na tonalidade de amarelo, dourado ou vermelho, vale usar várias bijuterias e acessórios de cobre ou na cor de cobre além, é claro, de sorrir e dançar muuuuito, com todo o exagero que nos é permitido.

Sem dúvida será um ano encantador e inesquecível, só precisamos nos transformar nessa guerreira pela vida, pelo amor, pela justiça, pelo trabalho e pelo AXÉ, como é Iansã!

Só precisamos deixar a gira girar e nos apaixonar pela vida e pela nossa gira!

Feliz 2011 a todos e vamos aproveitaaaar !!!

E para já começar a inspirar vocês na energia de 2011 deixo este vídeo maravilhoso que precisa ser visto com atenção nos detalhes, expressões, palavras e movimentos. Se encantem e se preparem …..

Extraído do site: http://www.minhaumbanda.com.br

Sindserv garante vitória para os servidores do Hospital de Base



Enquanto os funcionários da Santa Casa de Misericórdia de Itabuna e de outros hospitais da região ainda não receberam o 13º Salário, os servidores e funcionários do Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães (HBLEM) garantiram, após três dias de greve e de luta organizada pelo Sindserv, o pagamento dos salários atrasados e do 13º Salário para toda a categoria. Após a confirmação do pagamento na conta corrente, os trabalhadores decidiram em assembléia ontem à tarde (29/12) pelo fim da greve.

“Foi uma grande vitória para nós trabalhadores do Hospital de Base que já não agüentamos mais este tipo de situação. A nossa greve demonstrou que não queremos mais a insegurança e os prejuízos causados pelo atraso no pagamento de nosso direito sagrado”, desabafa Levi Araújo, funcionário do HBLEM e diretor do Sindserv.

Mesmo com o acordo celebrado em março deste ano com mediação do Ministério Público do Trabalho (MPT), a Prefeitura intransigentemente agindo fora da lei, não garante o pagamento dos salários dos servidores no quinto dia útil de cada mês conforme determinação do MPT.

“Essa situação não pode continuar assim. Enquanto não houver uma punição para a administração municipal que não cumpre acordos, nem mesmo celebrado na sede de uma instituição federal, como foi no Ministério Público, os trabalhadores agirão lançando mão do direito constitucional de greve” garante Karla Lúcia, presidenta do Sindserv.

O Sindserv parabeniza a todos os trabalhadores e trabalhadoras do Hospital de Base pela vitoriosa mobilização e pela firmeza em não recuar enquanto a administração municipal não realizasse os pagamentos. Foram várias reuniões com o executivo municipal que prometia solucionar as pendências com o funcionalismo e não cumpria, demonstrando um descaso e desrespeito com a categoria.

Agradecemos também os apoios dos sindicatos dos Bancários, Comerciários, Sindiacs e à Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB/Regional Sul da Bahia.

O nosso Sindicato deseja a todos e todas, funcionários e servidores do Hospital de Base e da Prefeitura de Itabuna um ano novo de lutas inspiradoras.

Que venha 2011!

Sindicato é pra lutar!

SINDSERV – SINDICATO DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE ITABUNA

FILIADO À CENTRAL DOS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO BRASIL – CTB

 

Greve no Hospital de Base continua

Apesar da promessa de pagamento do 13º Salário para os servidores que ganham até R$ 790,00 (setecentos e noventa reais) até o final desta tarde e dos salários mais o décimo terceiro para o restante da categoria até amanhã, os servidores municipais decidiram em assembléia permanecer em greve até quarta-feira, 29 de dezembro. A promessa da administração municipal se deu após a confirmação do repasse da verba estadual realizada pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesab).

“Permaneceremos em greve até que a Prefeitura pague o que deve a todos os servidores”, garante Wilmaci Oliveira, diretora do Sindserv.

Os servidores lotados no Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães (HBLEM) convivem com atrasos de salários há muito tempo e sem data certa para o recebimento. Em março deste ano, através da mediação do Ministério Público do Trabalho foi firmado um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) no qual a Prefeitura se comprometia a realizar os pagamentos até o quinto dia útil de cada mês, o que não foi cumprido.

Sem o cumprimento do TAC, a administração municipal também deixou o HBLEM à própria sorte. O sucateamento do hospital foi aprofundado a ponto de faltar todo tipo de material, até mesmo água mineral. Isso sem falar na desativação da lavanderia e comprometimento do funcionamento da cozinha.

Esta situação fez com que os movimentos sociais deflagrassem o Movimento pela Estadualização do Hospital de Base, por entender que essa é a melhor solução para a grave crise na saúde de Itabuna, já que o governo do Estado já sinalizou pela estadualização. Mesmo nessa situação caótica, o prefeito José Nilton Azevedo (DEM) não quer a estadualização.

 

SINDSERV – SINDICATO DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE ITABUNA

FILIADO À CTB

 

Brasileiro está mais otimista em relação à melhora econômica

Expectativas sobre o poder de compra e o desemprego são as mais altas do governo Lula

GUILHERME CHAMMAS
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Ao final dos oito anos de governo Lula, o brasileiro está mais otimista em relação à melhora da economia, de acordo com pesquisa feita pelo Datafolha. Expectativas em relação ao poder de compra e ao desemprego atingiram os melhores índices desde o início da gestão de Lula e superam os observados ao final do governo de FHC.
Dos brasileiros, 46% acreditam que seu poder de compra vai aumentar. Há oito anos, eram 36%.
Em relação ao desemprego, 41% acham que a taxa, que está no menor nível em oito anos, vai diminuir mais.
“O otimismo tem uma correlação com os indicadores do país, mas existe um reflexo da propaganda eleitoral, que enfatizou os pontos positivos do governo Lula”, diz Alessandro Janoni, diretor de pesquisas do Datafolha.
Outros indicadores também demonstram a confiança dos brasileiros. Um deles é a expectativa sobre a inflação, a qual a maior parte dos entrevistados (39%) acredita que se manterá estável.
Esse otimismo pode aumentar a demanda por bens e serviços no país, conforme explica o economista Bernardo Wjuniski, da Tendências Consultoria. “Há quatro condicionantes de demanda: emprego, renda, crédito e confiança do consumidor.”

PODER AQUISITIVO
O Datafolha também questionou a opinião dos entrevistados sobre sua situação econômica atual.
O poder aquisitivo dos brasileiros alcançou o melhor resultado da série histórica, iniciada em 1994. Hoje, 19% dos entrevistados disseram que ganham muito pouco, e têm dificuldades financeiras. No final do governo FHC, esse índice alcançava 45%.
“Os números explicam muito sobre o fato de Lula ter conseguido eleger sua sucessora e sobre sua popularidade”, diz Janoni.
A pesquisa foi feita entre 17 e 19 de novembro, com 11.281 brasileiros de 16 anos ou mais. A margem de erro é de dois pontos percentuais.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mercado/me2712201005.htm

Crise neoliberal e sofrimento humano

Por Leonardo Boff

O balanço que faço de 2010 vai ser diferente. Enfatizo um dado pouco referido nas análises: o imenso sofrimento humano, a desestruturação subjetiva especialmente dos assalariados, devido à reorganização econômico-financeira mundial.
Há muito que se operou a “grande transformação”(Polaniy), colocando a economia como o eixo articulador de toda a vida social, subordinando a política e anulando a ética. Quando a economia entra em crise, como sucede atualmente, tudo é sacrificado para salvá-la. Penalisa-se toda a sociedade como na Grécia, na Irlanda, em Portugal, na Espanha e mesmo dos USA em nome do saneamento da economia. O que deveria ser meio, transforma-se num fim em si mesmo.
Colocado em situação de crise, o sistema neoliberal tende a radicalizar sua lógica e a explorar mais ainda a força de trabalho. Ao invés de mudar de rumo, faz mais do mesmo, colocando pesada cruz sobre as costas dos trabalhadores. Não se trata daquilo relativamente já estudado do “assédio moral”, vale dizer, das humilhações persistentes e prolongadas de trabalhadores e trabalhadoras para subordiná-los, amedrontá-los e, por fim, levá-los a deixar o trabalho. O sofrimento agora é mais generalizado e difuso afetando, ora mais ora menos, o conjunto dos países centrais. Trata-se de uma espécie de “mal-estar da globalização” em processo de erosão humanística.
Ele se expressa por grave depressão coletiva, destruição do horizonte da esperança, perda da alegria de viver, vontade de sumir do mapa e até, em muitos, de tirar a própria vida. Por causa da crise, as empresas e seus gestores levam a competitividade até a um limite extremo, estipulam metas quase inalcançáveis, infundindo nos trabalhadores, angústias, medo e, não raro, síndrome de pânico. Cobra-se tudo deles: entrega incondicional e plena disponibilidade, dilacerando sua subjetividade e destruindo as relações familiares. Estima-se que no Brasil cerca de 15 milhões de pessoas sofram este tipo de depressão, ligada às sobrecargas do trabalho.
A pesquisadora Margarida Barreto, médica especialista em saúde do trabalho, observou que no ano passado, numa pequisa ouvindo 400 pessoas, que cerca de um quarto delas teve idéias suicidas por causa da excessiva cobrança no trabalho. Continua ela: “é preciso ver a tentativa de tirar a própria vida como uma grande denúncia às condições de trabalho impostas pelo neoliberalismo nas últimas décadas”. Especialmente são afetados os bancários do setor financeiro, altamente especulativo e orientado para a maximalização dos lucros. Uma pesquisa de 2009 feita pelo professor Marcelo Augusto Finazzi Santos, da Universidade de Brasília, apurou que entre 1996 a 2005, a cada 20 dias, um bancário se suicidava, por causa das pressões por metas, excesso de tarefas e pavor do desemprego. Os gestores atuais mostram-se insensíveis ao sofrimento de seus funcionários, acrescentando-lhes ainda mais sofrimento.
A Organização Mundial de Saúde estima que cerca de três mil pessoas se suicidam diariamente, muitas delas por causa da abusiva pressão do trabalho. O Le Monde Diplomatique de novembro do corrente ano, denunciou que entre os motivos das greves de outubro na França, se achava também o protesto contra o acelerado ritmo de trabalho imposto pelas fábricas causando nervosismo, irritabilidade e ansiedade. Relançou-se a frase de 1968 que rezava:”metrô, trabalho, cama”, atualizando-a agora como “metrô, trabalho, túmulo”. Quer dizer, doenças letais ou o suicídio como efeito da superexploração capitalista.
Nas análises que se fazem da atual crise, importa incorporar este dado perverso que é o oceano de sofrimento que está sendo imposto à população, sobretudo, aos pobres, no propósito de salvar o sistema econômico, controlado por poucas forças, extremamente fortes, mas desumanas e sem piedade. Uma razão a mais para superá-lo historicamente, além de condená-lo moralmente. Nessa direção caminha a consciência ética da humanidade, bem representada nas várias realizações do Forum Social Mundial entre outras.

Leonardo Boff é autor de Proteger a Terra-Cuidar da vida:como evitar o fim do mundo, Record 2010.

 

Governo Dilma será melhor ou igual ao de Lula para 83%

A presidente eleita, Dilma Rousseff (PT), fará um governo igual ou melhor que o do presidente Lula para 83% dos brasileiros, revela pesquisa Datafolha.

De acordo com o instituto, a expectativa de 53% dos entrevistados é que a gestão da petista seja similar à do antecessor. Outros 30% avaliam que ela se sairá melhor.

41% defendem cargo para Lula no novo governo

A estratificação do levantamento mostra que Dilma obtém seus melhores índices na fatia da população menos escolarizada, mais jovem e que declara renda mensal de até cinco salários mínimos.

Foram ouvidas em todo o país 11.281 pessoas, de 17 a 19 do mês passado. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Para 73%, o futuro governo de Dilma será ótimo ou bom. É o segundo percentual mais alto de expectativa sobre o mandato de um presidente eleito desde a redemocratização do país.

Em dezembro de 2002, a expectativa positiva sobre Lula era de 76%.

Os números de Dilma superam os do tucano Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) tanto no primeiro mandato (70%) como no segundo (41%). Fernando Collor (1990-92) obteve 71%. Não foi feita pesquisa em 2006.

Os picos positivos foram demonstrados no Nordeste do país, especialmente em Pernambuco (78%), no Ceará (79%) e em Minas Gerais (80%). No Sul, o índice de otimismo cai para 68%.

PROMESSAS

O instituto sondou o percentual de confiança dos eleitores sobre o cumprimento de promessas de campanha. Uma parcela de 31% disse acreditar que ela cumprirá a maioria das promessas, outros 59% esperam que cumpra parte delas, e 6% acham que não realizará nenhuma.

Os números são similares ao que o brasileiro esperava de Lula em 2002. À época, 31% acreditavam que ele fosse cumprir suas promessas.

A diferença entre a expectativa em relação a Dilma e a que se tinha sobre o Lula está nas áreas de atuação de governo. Para 18% dos entrevistados, a gestão dela se sairá melhor na saúde. Em seguida, aparecem economia (12%) e educação (12%).

Quando se trata da expectativa sobre a área em o novo governo terá o pior desempenho, destacam-se saúde (13%), combate à violência e segurança pública (13%).

Antes do primeiro mandato, 27% apostavam que a administração de Lula avançaria no combate ao desemprego, e 18%, na erradicação da fome e miséria. Para 10%, a economia declinaria.

Tanto Lula como Dilma marcam seus índices mais altos de “ruim ou péssimo” quando a expectativa é sobre o combate à corrupção (10% para ele, e 20% para ela).

A exemplo do que ocorreu em relação a Lula (43%), em 2002, agora os entrevistados acreditam que os “trabalhadores” serão os mais beneficiados pelo governo (33%).

Nos demais setores a serem beneficiados, no entanto, não há semelhanças. Em 2002, 14% citavam a agricultura, e 11%, a indústria, como áreas que seriam privilegiadas. Neste ano, aparecem políticos (13%) e bancos (10%).

Entradas Mais Antigas Anteriores