Saiu no Blog do Gusmão: UESC ADERE AO ENEM

Reunido na última sexta-feira (29) o Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão (Consepe) da UESC decidiu que 50% das vagas que a instituição disponibiliza, para seus cursos de graduação, serão preenchidas por estudantes que fizerem o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), já em 2012.

As outras vagas serão completadas por meio do tradicional vestibular.

A reunião do conselho terminou as 17h15min, com 32 votos a favor da proposta de adesão parcial ao Exame, e 16 votos contra a proposta, que foi apresentada pela Pró-reitoria de Graduação (Prograd).

O conselho decidiu também que o vestibular deixará de existir em 2013, quando a UESC adotará o ENEM como única forma de acesso aos seus cursos de graduação.

Anúncios

Saiu no Blog do Ricky: Curso do Planteq é finalizado em Itabuna sem evasões

Ricardo Mascarenhas e as alunas do curso

Curso do Planteq – Plano Territorial de Qualificação, promovido pelo Governo da Bahia, e Executado pelo SEST/SENAT, unidade Salvador, foi finalizado nesta terça feira(26) com 100% de sucesso. Não houveram evasões. A turma ministrada pelo instrutor Ricardo Mascarenhas(foto ao lado das alunas), começou e terminou com 22 alunas, na área de Recepcionista com Informática.
O curso foi ministrado no inicio no Colégio Ciso, e posteriormente no auditório do Sindicato dos Comerciários, e as aulas de Informática no Colégio Inácio Tosta no Bairro de Fátima.
“Vou sentir muita saudade, me desenvolvi muito neste curso”, afirma Ana Carla, uma das alunas.
Com aulas teóricas de Matemática, Língua Portuguesa, Direitos Humanos, Meio ambiente, Postura ética, orçamento familiar, Qualidade de Atendimento, e prática e teórica de Informática básica,o curso teve carga horária de 200 horas. As alunas receberam material didático, lanche, e Vale transporte durante todo o curso.

As alunas serão cadastradas no SINE-Sistema Nacional de Empregos, certificadas pela SETRE – Secretaria do Trabalho, Emprego e Esportes da Bahia.

O ex-vereador e atual diretor do Sindicato dos Bancários de Itabuna, Luis Sena, contribuiu para o sucesso do curso

O ex vereador Luis Sena, que contribuiu para a realização e sucesso da turma, através de incentivos e palestras, disse que ” É uma grande oportunidade que o governo atual vem dando aos jovens, buscando prepará-los melhor para o mercado de Trabalho. Estarei sempre a disposição pra auxiliar no que for necessário.”
O curso também teve palestras ministradas por Jorge Barbosa, sobre direito do trabalho, e Valter Morais, sobre Ética. Dayse da SETRE(Foto ao lado de Sena e Ricardo), informou que até setembro novas vagas para outros  cursos de qualicação serão abertas, e que os interessados devem procurar informações no SINE, no SAC de Itabuna.

Governador recebeu defensores da reativação do aeroporto e do Aeroclube de Itabuna

Em visita a Itabuna, no dia 28 de julho, para as comemorações dos 101 anos, o governador Jacques Wagner recebeu documentação da diretoria do Aeroclube de Itabuna, que solicita a recuperação e reativação do Aeroporto Tertuliano Guedes de Pinho e do Aeroclube.

“Entregamos documentação referente ao nosso aeroporto em mãos do governador, juntamente com cópias do processo em que pedimos o embargo das obras da prefeitura de Itabuna no local. É o nosso pedido das  providências  urgente junto a Justiça da Bahia com relação a esta nossa demanda”, diz Francisco Assis, piloto comercial e presidente do Aeroclube de Itabuna.

 

Trabalhadores da Delfi encerram greve

Segundo o blog Pimenta, os trabalhadores da Delfi (ex-Nestlé) aceitaram a proposta da empresa e encerraram a greve que teve início na última quarta-feira, 27  de julho. Segundo consta na reportagem do Pimenta a empresa ofereceu,  numa negociação intermediada pelo Ministério Público do Trabalho, em Itabuna, 8% de reajuste salarial, mais R$ 3,5 mil de Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e R$ 450,00 no tíquete-alimentação.

Saiu no Pimenta: SOLUÇÃO PARA O HOSPITAL DE BASE SÓ DEPENDE DE AZEVEDO

Wagner fala em gestão estadual no Hblem (Foto Manu Dias).

O governador Jaques Wagner voltou a defender a estadualização do Hospital de Base em discurso feito, nesta tarde, no auditório da FTC-Itabuna.

Diante da falta de condições financeiras da prefeitura em gerir o maior hospital público do sul da Bahia, sugeriu Wagner, a saída seria a estadualização. “Estou disposto a assumir o hospital”. Dirigindo-se ao prefeito Capitão Azevedo, completou: “Agora só depende do senhor”.

O prefeito discursou antes de Wagner e aproveitou para cobrar solução para a crise do Hblem. O governador passou a bola:

– Isso [aceitar a estadualização] é uma coisa que depende do senhor e não de mim.

Já na coletiva à imprensa, Wagner disse que não estava impondo nada, mas via na estadualização a saída para a crise do hospital.

A proposta de gerenciamento do Hblem pelo estado é rejeitada pelo prefeito Capitão Azevedo, para quem a crise da unidade de saúde não é de gestão, mas falta de recursos.

O hospital tem aproximadamente 600 funcionários e recebe, mensalmente, R$ 1,95 milhão do SUS e do Governo do Estado. A prefeitura deixou de fazer o repasse mensal de R$ 300 mil desde 2010. Outra saída em discussão é a gestão compartilhada do Hblem, entre estado e município. O sucateamento da estrutura do hospital e a falta de recursos provoca cerca de 20 mortes evitáveis, por mês, na unidade de saúde.

O governador inaugurou há pouco o Sest/Senast, uma obra da Confederação Nacional do Transporte (CNT). Foi o último compromisso da agenda pública do petista em Itabuna, onde também assinou convênios na área de educação, inaugurou a base da Bahiagás e anunciou a liberação de edital para reconstrução da BR-415, trecho Itabuna-Ibicaraí.

Leia mais: http://www.pimenta.blog.br

Associações de Itabuna divulgam Carta Aberta ao governador Jacques Wagner

Excelentíssimo Senhor Governador,

A sociedade organizada de Itabuna, por meio das entidades abaixo assinadas, coordenadas pelo GAC – Grupo de Ação Comunitária, dirige-se a Vossa Excelência para manifestar a sua insatisfação com o tratamento que a SESAB – Secretaria de Saúde do Estado da Bahia, vem oferecendo à questão da saúde de média e alta complexidade nesta cidade, que resulta, em síntese, em enormes prejuízos à dignidade da pessoa humana, usuários do Sistema Único de Saúde, não só em Itabuna, mas também a milhares de pessoas de mais de uma centena de municípios pactuados.

Itabuna sempre se caracterizou e foi reconhecida em toda a Bahia, por oferecer à sociedade o melhor atendimento de saúde do estado, depois da capital Salvador, posição que vem perdendo nos últimos tempos pelo descaso sucessivo dos três últimos governos estaduais.

O Governo do Estado, alegando má gestão no nosso principal hospital público municipal, o Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães, desabilitou a nossa cidade em fins de 2008, da gestão do Comando Único da Saúde, também conhecida como gestão plena, deixando a responsabilidade pelo atendimento para o município, oferecendo como contrapartida um repasse insuficiente e muito aquém do que repassa para outras unidades do estado e filantrópicas, que nem de perto se aproximam da demanda existente em nosso único hospital público.

O Senhor Governador chegou a pedir em audiência concedida a representantes do GAC, que se conseguíssemos trocar os gestores do hospital à época, que o Comando Único poderia retornar em breve, sanados os problemas existentes. O Prefeito da época atendeu ao pedido e o GAC indicou os gestores. E por que os problemas continuaram? Porque o repasse continuou sendo inferior às necessidades e a gestão, irretocável quanto à lisura na aplicação do dinheiro público, não poderia fazer milagres.

Não queremos sequer imaginar que o tratamento dispensado às questões da saúde seja permeado por interesses político-partidários, porque isso seria de uma mesquinhez sem precedentes, indigna para estadistas de grande porte.

Historicamente, o Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães sempre enfrentou problemas de gestão. Pelo que estamos informados recentemente a contratualização do HBLEM com a SESAB foi assinada sob protestos, o que resultou no pedido de demissão do gestor do hospital.

Acenar com a estadualização do HBLEM como a solução para os graves problemas enfrentados pela saúde é uma falácia, pois o próprio estado enfrenta problemas com os hospitais que administra e deles quer se livrar, falando inclusive em privatização.

O que queremos Senhor Governador é que o Governo de Vossa Excelência, nos dispense uma maior atenção e mais consistente, não só nos problemas da saúde, mas de um modo geral em infraestrutura básica (a barragem para resolver o problema da água e em saneamento), em educação, cultura e esportes (conclusão do Estádio Luiz Viana Filho e do Centro de Convenções e Teatro), em segurança (conclusão dos serviços de videomonitoramento executado pela PM), em estradas (duplicação da rodovia Ilhéus/Itabuna e Itabuna/Ferradas), em equipamentos públicos (Centro de Abastecimento), nos apoiando na luta por uma Universidade Federal que atenderia uma gigantesca gama de estudantes de todo o sul da Bahia e em tantos outros itens que são carências urgentes do município e que o Estado há muito está a nos dever.

Não queremos que Itabuna continue excluída do conjunto dos 417 municípios baianos e muito menos queremos estar entre as últimas prioridades do Governo do Estado.

Respeitosa e atenciosamente,

Sindicom
CDL-Itabuna
OAB-Itabuna
Sindicontasul
ABI-Regional Sul
Itabuna Esporte Clube
Ampesba
Lions Itabuna Centro
Acari
Agesul
Sindicato Rural de Itabuna


Centrais sindicais não aceitam convite de Dilma para anúncio de política industrial

As centrais sindicais foram surpreendidas hoje por um convite do Ministro Fernando Pimentel, do MDIC, para reunião terça feira, em Brasília, às 8h30 da manhã, para tomarem conhecimento da nova política industrial que será anunciada duas horas e meia depois, às 11 horas, pela Presidenta Dilma.

As centrais há meses estão discutindo essa questão com as entidades empresariais e alertando o Governo para a necessidade de medidas duras para conter o avanço dos produtos industriais importados, o câmbio desfavorável para as exportações e a produção interna, assim como a questão do chamado “Custo Brasil”, baseado principalmente em energia cara, elevadíssima carga tributária e ausência de incentivos para estimular o emprego e a produção interna.

Produtos fabricados na Ásia, principalmente na China, com estímulos fiscais e uso de mão de obra barata, invadem nosso país, sem qualquer política de enfrentamento comercial. Nos setores do aço, dos calçados, têxteis, confecções, eletrônicos, brinquedos, entre outros, os empresários brasileiros não conseguem competir, pela falta de incentivos locais para se contrapor aos incentivos concedidos à produção principalmente pelo mercado asiático.

Só no mês passado 58.000 empregos foram perdidos na indústria brasileira, segundo o Dieese. Empresários brasileiros da área de calçados, têxteis e até da fabricação de ônibus estão transferindo suas fábricas para a Ásia, gerando empregos lá, e não aqui.

Diante deste quadro, não nos parece adequado que as centrais sindicais e os empresários sejam chamadas agora, de surpresa, apenas para tomar conhecimento e aplaudir medidas que desconhecem.

As centrais sindicais deixam claro, que sempre estarão prontas para conversar com o Governo e apelam à Presidenta Dilma para que o diálogo necessário se torne uma prática constante com as centrais sindicais, especialmente quando se tratar de decisões que afetem o emprego e a sobrevivência da indústria nacional. Por isso anunciamos que não estaremos nessa reunião convocada.

 

Wagner Gomes (presidente da CTB)

Antonio Neto (presidente da CGTB)

José Calixto (presidente da NCST)

Paulo Pereira da Silva (presidente da Força Sindical)

Ricardo Patah (presidente da UGT)

Entradas Mais Antigas Anteriores