Crise corrói 80 milhões de empregos

Por Webster Franklin Da Carta Maior

A recuperação da economia mundial está mais distante do que se imaginava. Do ponto de vista do emprego, pelo menos, a superação da crise só ocorrerá por volta de 2016. Isso, desde que se cumpra o requisito da geração de 80 milhões de vagas para que os níveis de ocupação retornem ao patamar anterior ao colapso neoliberal. É o que diz o informe da OIT divulgado nesta 2ª feira.

Os sumidouros do crescimento e das vagas estão claros; as responsabilidades são inequívocas. A grande façanha dos 30 anos de finanças desreguladas foi, grosso modo, aviltar a oferta e a qualidade do emprego pela sua flexibilização e deslocamento a zonas de ‘baixo custo’; reduzir a participação do trabalho na renda e isentar o capital rebaixando receitas fiscais dos governos.

Promoveu-se em troca a grande era do endividamento. Famílias, governos e Estados soberanos tornaram-se mais e mais dependentes do capital a juro, cuja liberdade foi lubrificada pela eliminação das salvaguardas regulatórias instituídas após a crise de 29. Embora o diagnóstico seja reconhecido até por segmentos dos ‘mercados’, ele carece ainda de consequências políticas coerentes.

A mídia tem cumprido seu papel de guarda-sol a sombrear o debate das alternativas à superação desse modelo, em meio a uma crise de insolvência das dívidas públicas e privadas. Na Europa, corroída por 16 milhões de desempregados, em meio ao assalto final aos pilares do Estado do Bem-Estar Social, essa película protetora é reforçado pela opacidade de um quadro ideológico feito de rendição social-democrata ao neoliberalismo.

A Espanha é o caso mais desconcertante (leia o comentário de Eric Nepomuceno) dessa colonização pelos ditames dos mercados.Depois de incluir o arrocho fiscal na Constituição para ‘acalmar’ os credores, o governo Zapatero está prestes a entregar o poder ao PP de Aznar: a direita tem 15 pontos de vantagem nas enquetes do pleito do dia 20. A pressão das ruas,portanto, mesmo no berço dos indignados, terá que amadurecer propostas e organização para se tornar, de fato, uma opção à regressividade em marcha.

Quanto à social-democracia européia, basta recordar o que Tatcher disse dela ao deixar o poder, em 1990. Indagada sobre o seu maior feito, a dama de ferro resumiu de forma ferina: ‘Foi fazer de Tony Blair o líder dos trabalhistas’.

Fonte: http://www.advivo.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: