Agências bancárias fecham no Carnaval

Quem tem conta a vencer no Carnaval deve ficar atento aos dias de funcionamento dos bancos. Em Salvador, as agências abrem até sexta-feira (17/02). O atendimento ao público acontece no horário normal, das 10h às 16h.
Na segunda e terça-feira de Carnaval os bancos não abrem. A conta que vencer nesses dias pode ser paga, sem multa, na quarta-feira de Cinzas (22/02). Mas, é preciso atenção, pois as unidades bancárias funcionam em horário especial, a partir das 12h.
Quem precisar tirar dinheiro nos dias de folia, pode recorrer aos terminais de autoatendimento espalhados pela capital baiana ou em outros municípios. Os caixas eletrônicos de todos os bancos abrem normalmente.
Fonte: O Bancário

CTB reafirma seu apoio ao povo grego contra o arrocho imposto pelo governo

A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) reitera seu apoio e sua solidariedade ao povo grego, que no último domingo (12) assistiu ao Parlamento de seu país aprovar um pacote econômico que atende apenas as expectativas da União Europeia e do sistema financeiro, em detrimento dos interesses populares.

A aprovação de tais medidas era necessária, segundo o discurso oficial, para que o país recebesse um segundo resgate financeiro de 130 bilhões de euros, aprovado pelo grupo conhecido como “Troika” (Fundo Monetário Internacional, Comissão Europeia e Banco Central Europeu). Caso a medida não fosse aprovada, o país correria o risco de sair da Zona do Euro.

À distância, a CTB observa com preocupação esse cenário e acompanha atentamente a luta do povo grego contra esse arrocho, reduzido a meras “medidas de austeridade” pelo discurso da mídia internacional. Como entidade classista, a CTB entende que nenhuma “ajuda financeira” proposta pelo FMI ou qualquer órgão financeiro pode resultar em perda de direitos históricos conquistados pelos trabalhadores – e muito menos em demissões generalizadas como as que afetarão milhares de funcionários públicos do país.

Como já tem sido praxe nos últimos meses, a CTB vê no comportamento da classe trabalhadora grega um exemplo de combatividade, fruto da liderança exercida pelos combativos companheiros do PAME (Frente Militante de Todos os Trabalhadores).

A CTB se soma à Federação Sindical Mundial (FSM) e às entidades classistas de todo o mundo contra o pacote imposto ao povo grego, com a convicção de que a fatura da atual crise financeira internacional não pode ser quitada pela classe trabalhadora, mas sim por aqueles que a criaram.

Sigamos na luta!

Direção Nacional da CTB
São Paulo, 13 de fevereiro de 2012.

Sindicato dos Bancários é contra retirada das portas giratórias

O Sindicato dos Bancários de Itabuna é contra a retirada das portas giratórias com detectores de metais das agências. O equipamento impede que uma pessoa entre em uma unidade bancária com uma arma, protegendo a vida de funcionários e clientes.
Os bancos tentam justificar a medida com o número de processos por conta de constrangimentos, mas não convencem. Preferem colocar em risco a população ao invés de conscientizar sobre a importância do dispositivo. A Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) ainda informa que o investimento anual em segurança vem aumentando, e hoje é de R$ 9,4 bilhões.
O valor, no entanto, é muito baixo e não chega nem perto da lucratividade das empresas. Para se ter ideia, somente o Itaú, maior banco privado do país e primeiro a anunciar a retirada do equipamento, lucrou, em 2011, R$ 14,6 bilhões, o maior da história do sistema financeiro nacional.
O Bradesco não fica atrás, com ganho de R$ 11,18 bilhões. O Santander e a Caixa também anunciaram lucratividade recorde, R$ 7,75 bilhões e R$ 5,2 bilhões, respectivamente. Juntas, as quatro organizações financeiras colocaram nos cofres R$ 38,73 bilhões.

Assaltos

A tendência é de que o número de assaltos cresça ainda mais sem as portas giratórias nas agências. Na Bahia, por exemplo, as cidades do interior são os principais alvos das quadrilhas justamente por conta da facilidade em entrar nas unidades, que não possuem o equipamento. Para se ter ideia, foram 14 assaltos de janeiro até sexta-feira (10/02). Alta de 77,7% ante o mesmo período de 2011.

Itaú enrola e não paga a parcela da PLR

O Itaú tem torturado o funcionário de todas as formas. O banco, que em 2011 teve lucratividade de R$ 14,6 bilhões, a maior da história do sistema financeiro nacional, demite em massa e, para completar, deixa os funcionários sem PLR no feriado de Carnaval.
Os bancários inclusive cobraram, durante a última rodada de negociação realizada na sexta-feira passada (10/02), o pagamento da segunda parcela da Participação nos Lucros e Resultados. No entanto, não obtiveram resposta da direção da empresa.
A postura é inadmissível, principalmente por se tratar do banco que mais lucra no país. O prazo estipulado pela Convenção Coletiva para o pagamento da segunda parte do benefício é 1º de março. Porém, todas as organizações financeiras que divulgaram o balanço de 2011 já anunciaram o crédito.
É o caso do Bradesco, que liberou a PLR no último dia 10. Tem ainda o Santander, que faz o pagamento nesta sexta-feira (17/02) e o HSBC, em 27 de fevereiro. A Caixa paga o benefício mais a parcela adicional e a PLR Social em 1º de março.
Fonte: O Bancário

Sindicalista acusa Wagner de copiar regime militar

Luis Fernandes, presidente do Sindicacau

Enquanto a maioria da população se posicionou contrária à greve dos policiais militares, encerrada no sábado (11), o presidente do Sindicacau, Luiz Fernandes, se posicionou favorável aos grevistas e disse que a paralisação só aconteceu por causa da intransigência do governo Jaques Wagner, que tratou a questão com desdém e ainda subestimou a capacidade mobilizadora da categoria.

“Primeiro, o governador viajou para Cuba como se nada estivesse acontecendo. Depois, desconsiderou as reivindicações do pessoal e foi intransigente o tempo todo. Em resumo, a greve só aconteceu por culpa do governo, que poderia ter evitado a greve”, atesta o sindicalista.

“Estranhamente, o governo Wagner recorreu a métodos ortodoxos adotados durante o regime militar, com escutas telefônicas, perseguição, prisão de líderes do movimento e outras práticas abomináveis”, aponta Luiz Fernandes.

Lembrou, ainda, que mesmo antes da greve a Bahia já vivia um clima de intranquilidade, com o registro de assaltos a banco e assassinatos provocados pelo comércio e consumo de drogas, entre diversas outras modalidades de crime.

No entendimento de Fernandes, “em nenhum momento Wagner pediu ajuda à presidente Dilma para que ela enviasse para a Bahia a Força Nacional, o Exército e a Polícia Federal para ajudarem a Polícia Militar a conter a onda de violência em todo o estado, o que é de se estranhar”.

Culpa do governo

“Além do mais, com a instalação da greve, o governo passou a vender a ideia de que tudo de ruim que estava ocorrendo na Bahia era por culpa da greve. Mas não disse que o único culpado por tudo era o próprio governo, que se omitiu ao não pedir ajuda ao governo federal, visando garantir a segurança do povo baiano”, comenta.

“Quando resolveu pedir ajuda ao governo federal, o governador Wagner o fez não preocupado com a população, mas, sim, querendo a prisão de  líderes grevistas, que foram chamados de formadores de quadrilha, baderneiros, vândalos e outros adjetivos mais”.

O presidente do Sindicacau não esquece que o hoje governador fez nome na política participando e promovendo greves, como esta da Polícia Militar. “Mas, no governo, Wagner renuncia ao seu passado, acusando grevistas de serem criminosos, chegando ao ponto de defender a prisão de policiais, de negar anistia e suspender o pagamento dos dias parados”.

Luiz Fernandes aconselha o governo a conceder anistia aos líderes grevistas, encerrar as perseguições e atender a todas as reivindicações dos policiais militares, “porque não tem nada pior do que um trabalhador voltar ao trabalho insatisfeito”.

Fonte: http://agora-online.com.br

Após sofrerem assalto e sequestro bancárias são demitidas pelo Itaú

O ato de protesto realizado pelo Sindicato no dia 7/02, na porta do banco Itaú por falta de segurança, condições de trabalho e pelo fim das demissões teve grande repercussão na mídia da Capital. Durante o ato o Sindicato também denunciou a atitude intransigente do banco que, em janeiro deste ano, demitiu duas funcionárias da agência 5636-Contagem-MG-Sede, por justa causa, devido a assalto seguido de sequestro ocorrido em dezembro do ano passado. Assista ao vídeo com a notícia veiculada na TV Record.

Banco do Brasil apresenta lucro recorde de R$ 12 bilhões em 2011

O Banco do Brasil anunciou lucro líquido recorde de R$ 12,1 bilhões em 2011, crescimento de 3,6% em relação a 2010. O desempenho corresponde a retorno anualizado sobre o patrimônio líquido (RSPL) de 22,4%. O resultado recorrente alcançou R$ 11,8 bilhões, evolução de 10,2% sobre o ano anterior.
O lucro líquido do quarto trimestre caiu 25,7%, para R$ 2,972 bilhões, na comparação com o de R$ 4,002 bilhões do mesmo intervalo de 2010. Em relação ao terceiro trimestre de 2011, em que o banco registrou lucro líquido de R$ 2,891 bilhões, houve alta de 2,8%.
O Banco do Brasil registrou lucro recorrente de R$ 3,025 bilhões no quarto trimestre de 2011, o que representa uma queda de 18,3% ante os R$ 3,704 bilhões anotados no mesmo intervalo de 2010. Já na comparação com o terceiro trimestre de 2011 o dado apresenta um crescimento de 17,6% sobre os R$ 2,573 bilhões daquele período, conforme relatório financeiro da instituição, divulgado há pouco.

Leia matéria completa clicando no link abaixo:

http://www.contrafcut.org.br/noticias.asp?CodNoticia=29653

Entradas Mais Antigas Anteriores Próxima Entradas mais recentes